domingo, 20 de junho de 2010

O sistema de injeção eletrônica (Palio, Uno Mille-Fire e outros da serie, Tempra, Tipo, Elba e etc.).

O sistema de injeção eletrônica a seguir, é referente aos motores dos automóveis da marca FIAT como (Palio, Uno Mille-Fire e outros da serie, Tempra, Tipo, Elba e etc.).


Primeiramente o combustível do automóvel, seja ele qual for, álcool ou gasolina, circula constantemente sob uma pressão de três bars. O combustível é retirado do tanque por uma bomba elétrica situada dentro do próprio tanque, que é localizado no porta-malas de alguns automóveis, sendo que seu comando elétrico é feito pela central.

Esse combustível passa por um filtro, depois enviado por meio de canalização ao tubo do distribuidor de combustível, onde permanece á disposição dos injetores. A parte do combustível não utilizado pelos injetores, que passa pelo regulador de pressão e retorna ao tanque pela linha de retorno.


O combustível que é utilizado pelo motor tem sua quantidade e o momento de injeção, que são controlados pela central, que tem a função de determinar quantos e quais injetores devem abrir no momento da injeção, para dar vazão ao combustível, aquele que se responsabiliza pela mistura, e por quanto tempo os mesmos deverão permanecer abertos, que é denominado de tempo de injeção chamado também de Ti, controlando dessa forma, a quantidade do combustível fornecido ao motor.

Para determinar o momento da injeção, a central usa a informação do sensor de rotação e de PMS, que tem a função de posicionar a roda fônica. Esta faz identificar o PMS de um determinado cilindro e faz com que a central emita um sinal elétrico pra a bobina que corresponde ao centelhamento da vela desse cilindro e do cilindro síncrono.

Assim a central emite o sinal para a abertura dos injetores em geral, que com isso, a cada vez que ocorrer o trabalho da centelha da vela, também ocorrerá uma injeção de combustível. Para que o sistema possa funcionar corretamente desse modo, sendo que o sistema mande a quantidade ideal de combustível para o funcionamento do motor a cada momento, precisamos considerar os seguintes sistemas componentes da injeção eletrônica:

A massa do ar admitido, que é a quantidade de ar admitido obtida pelo sensor de posição da borboleta de Aceleração, que eventualmente está ligado com mecanismo ao eixo de acionamento da borboleta de aceleração, e pela temperatura do ar, que estabelece a informação do sensor de temperatura do ar admitido, localizado no coletor de admissão.

A temperatura do motor é obtida pelo sensor de temperatura, que está em contato direto com o liquido de arrefecimento do motor, que é muito importante para o bom funcionamento do sistema de injeção.

Os sistemas de injeção também são responsabilizados pela exigência do motor, que é obtida pela leitura da diferença entre a pressão atmosférica e o vácuo do coletor de admissão, feita pelo sensor de pressão absoluta. O sistema também verifica o resultado dessa mistura que, depois de preparada pode corrigir os eventuais erros do sistema. Essa informação é obtida pela Sonda Lambda, que se localiza na saída dos gases de escapamento, que tem a função de analisar a quantidade de oxigênio existente nesses gases.

A central também comanda o sistema de ignição, que leva todas as informações dos sensores acima mencionados, para controlar o momento e a direção da centelha. O momento da centelha é fornecido pela central que alimentada pelas informações obtidas pelos vários sensores do sistema, que tem a função de escolher no programa existente em sua memória qual o avanço ideal para o momento. É necessário também para o sistema, o avanço da centelha que é determinado e aplicado pela central, que conta com um sensor que controla seu excesso. Esse processo é feito pelo sensor de detonação, posicionando estrategicamente no motor para que tenha a função de identificar a ocorrência de pré-ingnição e detonação do sistema. Quando isso ocorre, a central é informada e corrige o avanço aplicado á centelha.

Os sistemas de ignição dos automóveis da FIAT, não utilizam distribuidores convencionais, e sim, duas bobinas que possuem características especiais, que produzem uma tensão muito alta, que neste caso são necessários à vazão da tensão com muita rapidez. Para que isto ocorra normalmente, a descarga é feita por duas velas que simultaneamente, trabalha pelos dois cilindros sincrônicos, sendo que um deles é responsável pelo tempo de explosão, que tem a função de queimar a mistura, e o outro estará responsável pelo tempo que a admissão se iniciar, onde a centelha se perderá, mas, dará vazão para a alta tensão da bobina.

5 comentários:

  1. Gostei do tutorial, muito bem detalhado!
    Será que você não poderia postar um tutorial detalhado sobre a injeção Palio?
    Seria ótimo!
    Abraço...

    ResponderExcluir
  2. obrigado por sempre comentar no blog qualquer duvida estamos ai para atendelos

    ResponderExcluir
  3. BOM DIA!!
    ESTOU COM UM PROBLEMA...ESPERO QUE POSSA ME AJUDAR...
    COMPREI UM PALIO DE LEILÃO,TROQUEI VELA, CABO DE VELA FILTRO DE AR, OLEO E FILTRO DE OLEO...ESVAZIEI O TANQUE DE COMBUSTÍVEL E COLOQUEI COMBUSTÍVEL NOVO.
    ELE VIRA, MAS NÃO PEGA, TEM CENTELHA (AZULADA) NAS VELAS E OS BICOS ESTÃO INJETANDO COMBUSTÍVEL...
    PALIO 1.0 8V FIRE FLEX 2005/2006.
    PODERIA SER UM DESSES SENSORES COMENTADOS ACIMA??
    DESDE JÁ AGRADEÇO.
    RICARDO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verifique a pressão na linha de combustível, Verifique o ponto da correia dentada e a compressão dos cilindros do motor.

      Excluir
  4. bom dia tenho um palio g3 2005 1.3 8v gostaria de saber se ele tem sensor de partida a frio e onde fica localizado obrigado

    ResponderExcluir