anuncio

anuncio

quarta-feira, 30 de maio de 2012

como compra carro usado part 4

 Se possível, compre o carro de um amigo. Quanto mais próximo for o dono do veículo, menor o risco. Se ocorrerem eventuais problemas com o automóvel, você saberá a quem apresentar a reclamação. A dificuldade é encontrar o modelo desejado em bom estado apenas dentro do universo de conhecidos. A segunda opção mais segura são os carros de concessionárias. Além de serem lojas grandes e com uma reputação a zelar, boa parte dessas empresas ainda carrega junto o nome da montadora. Logo, o fabricante do veículo vai exigir da concessionária qualidade nos serviços prestados aos clientes. O que afugenta os consumidores das concessionárias é que os preços cobrados costumam ser um pouco mais elevados que nas demais formas de compra carro. Na escala de maior risco, em seguida aparecem os carros de lojas sem bandeira ou de locadoras. Ambas oferecem garantia de 90 dias para motor e câmbio. No entanto, a qualidade dos carros ofertados nessas lojas nem sempre será tão boa quanto nas concessionárias. As lojas sem bandeira são as principais compradoras de carros com alta quilometragem ou bem desgastados. Já as locadoras trabalham com muitos carros multiusuário. São, portanto, veículos em que o motorista muitas vezes não toma o devido cuidado para a conservação. Além disso, há veículos que são utilizados em condições mais severas. A pessoa aluga o carro justamente para não submeter o próprio automóvel ao desgaste de carregar carga pesada ou rodar em estrada de terra, por exemplo. Com risco maior que o carro de locadoras, estão os veículos comprados de desconhecidos. Negócios fechados entre pessoas físicas não estão sujeitos às regras do Código de Defesa do Consumidor nem tem garantia obrigatória de câmbio e motor. Também é necessário verificar você mesmo se o carro é roubado ou foi danificado por colisão ou enchente. Ao comprar um carro em lojas, essa triagem já terá sido feita pelo próprio estabelecimento comercial. Entre os desconhecidos, o mais arriscado é comprar um carro em outra cidade que você encontrou na internet. Muitas vezes o vendedor exige um pagamento antecipado do comprador mesmo que ele ainda não tenha tido a oportunidade de verificar se o veículo se encontra nas condições prometidas. Algumas vezes o anúncio é uma fraude: só se descobre que o carro e o vendedor não existem quando já é tarde. Então a dica é tomar cuidados redobrados. Peça para algum conhecido que mora na cidade do vendedor fazer uma vistoria no veículo antes de realizar qualquer pagamento antecipado. Por último, a forma mais arriscada de comprar um veículo é por meio de leilão. O comprador não poderá ligar o veículo nem rodar por alguns quilômetros. A abertura do capô é o máximo que se permite aos interessados. Muitos dos veículos que vão para leilão foram vendidos por seguradoras após sinistros graves. Não é à toa que os compradores muitas vezes apresentam lances com 30% de desconto e conseguem arrematar o veículo desejado.

dica como compra carro usado part 3

Informe-se em sites e revistas especializadas sobre os veículos mais desejados.Nas redes sociais  , há dezenas de comunidades que discutem como compra carro a qualidade de cada veículo. Notícias e rankings publicados na mídia também ajudam muito.é muito importante compra carro em bom estado fácil de vender que tenha um custo beneficio alto  A revista Quatro Rodas, da Editora Abril, que também edita EXAME, divulga a cada ano o ranking dos melhores carros para comprar em 17 categorias e veja o ranking de 2009) confira antes de compra carro confira o Rank da quatro roras

Carro de até 30.000 reais: Fiat Mille 1.0 flex Economy
Carro de 30.000 a 35.000 reais: Renault Logan 1.6 8v flex Expression
Carro de 35.000 a 40.000 reais: Renault Symbol 1.6 8v flex Expression
Carro de 40.000 a 50.000 reais: Renault Symbol 1.6 16v flex Expression
Carro de 50.000 a 60.000 reais: GM Vectra 2.0 flex Expression
Carro de 60.000 a 70.000 reais: Toyota Corolla 1.8 flex XEi
Carro acima de 70.000 reais: Hyundai Azera V6 3.3 GLS aut.
Monovolumes compactos: Honda Fit 1.4 flex LX
Monovolumes médios: GM Zafira 2.0 flex Expression aut.
Aventureiros urbanos: Ford EcoSport 1.6 flex XLT Freestyle
Peruas médias: Renault Mégane Grand Tour 2.0 Dynamique
Peruas pequenas: Peugeot 207 SW 1.4 flex XR
Picapes leves: GM Montana 1.4 flex Conquest
Picapes médias (cabine simples): Ford Ranger 2.3 4x2 Sport
Picapes médias (cabine dupla): Nissan Frontier 2.5 4x2 diesel XE
Picapes médias (cabine dupla) acima de 80.000 reais: Toyota Hilux 3.0 4x4 diesel SR
Melhor compra: Renault Symbol 1.6 8v flex Expression e Hyundai Azera V6 3.3 24v GLS

terça-feira, 29 de maio de 2012

dica de como compra carro part2 de 10

como compra carro usado part 2
2 - . Alguns tipos de veículo são muito difíceis de vender e só devem ser comprados mediante um belo desconto. Os brasileiros preferem automóveis nas cores prata e preto. Carros com cores extravagantes são bastante utilizados por montadoras que lançam um modelo novo, mas costumam encalhar nas lojas. Já veículos brancos ou amarelos sempre despertam a suspeita de que tenham sido usados como táxi no passado. Outra regra que dita o comportamento do mercado é que quanto mais caro é um carro, mais rápida é sua depreciação. A mesma regra vale para os importados. Veículos fabricados no exterior que vendem pouco no Brasil muitas vezes não possuem uma rede de assistência técnica adequada nem mercado secundário no país. Também existe muito preconceito com carros oriundos de leilão, de locadora ou com um histórico de acidentes graves. Então exija desconto. Já carros que saíram de linha perdem valor porque a manutenção e a substituição de peças tendem a se tornar cada vez mais difíceis. Como a primeira impressão é a que fica, veículos com defeitos e riscos na pintura acabam sendo mais difíceis de vender. Alterações estruturais como as de carros rebaixados ou turbinados também não são bem-vistas no mercado. Praticamente ninguém vai pagar pelos acessórios instalados no veículo, como som, DVD ou kit GNV

dica de como compra carro part1

1 - antes de compra carro faça o teste. Fazer o test drive é melhor do que nada, mas em geral não é suficiente para  compra carro com segura. Ao rodar por um ou dois quilômetros, provavelmente o interessado em um veículo só terá tempo de notar seus pontos positivos. No banco do passageiro, o vendedor se encarregará de ressaltar as qualidades e esconder os defeitos do automóvel escolhido. Para fazer um teste mais acurado, o ideal é alugar um carro do mesmo modelo. Ao contrário do que você está acostumado a fazer, peça ao funcionário o veículo mais velho disponível na locadora. Será esse automóvel que lhe mostrará os efeitos do tempo e do uso sobre determinado modelo. Caso seu interesse seja compra carro usado, saiba que algumas lojas permitem a realização de um test drive prolongado com o próprio veículo. A rede de concessionárias Itavema, por exemplo, permite que o interessado teste o carro que quer comprar durante três dias antes de fechar o negócio. Já a locadora de veículos Avis oferece ao comprador a oportunidade de alugar um automóvel por dois dias. Caso feche a compra, o cliente não precisará pagar pela locação. Já se desistir, o consumidor arcará só com o custo das duas diárias. Se tiver a oportunidade de realizar um teste de longa duração, leve o carro para um mecânico de confiança que possa avaliar seu estado de conservação. Circule por locais onde está acostumado a dirigir. Verifique se o carro cabe na vaga do prédio ou se não raspa na entrada do estacionamento. Certifique-se que o modelo agrada também a outros membros da família.fim da parte 1 de compra carro dicas

quinta-feira, 17 de maio de 2012

correia dentada eurovan 2.4d transporter 2.4d 1999 a 2003

procedimento para desmontagem

1 desmontar
carter inferior
correia auxiliar
grade do radiador

2 remova os parafusos de travamento do capo e gire a com o radiador sobre suas dobradiças

3 desmontar

correia auxiliar
tampa da correia da bomba injetora
tampa do cabeçote
proteção da correia

4 gire a arvore de manivela ate que o primeiro cilindro esteja em pms
5 alinhe a marca de sincronismo do virabrequim com a marca da polia da bomba injetora



quarta-feira, 16 de maio de 2012

audi a3



Audi A3*
Com farta oferta no mercado, o modelo esbanja status e ainda é fácil de revender. Mas prepare o bolso para arcar com o alto preço de peças
Por Alexandre de Freitas
Fotos: Marcelo Spatafora
Os primeiros A3 alemães desembarcaram por aqui em 1996 e não demorou muito para despertarem a cobiça do consumidor, graças a linhas atraentes, conforto e desempenho. Se hoje o zero-quilômetro não provoca o mesmo interesse – o modelo foi redesenhado na Europa –, o mesmo não se aplica aos usados. Sinônimo de status, os A3 de segunda mão entram e saem das lojas num piscar de olhos.
Os cinco portas nas cores preto e prata, especialmente na versão 1.8 aspirado (125 cavalos), são os que fazem mais sucesso com seu público, formado por três perfis típicos: o boyzinho em busca de potência nos 1.8 Turbo (versões de 150 ou 180 cavalos), executivos privilegiando conforto e prestígio com o automático Tiptronic e as mulheres, que preferem o 1.6 (101 cavalos).
Mas não se esqueça de um detalhe: o preço de peças, seu maior pecado. Por isso é que a versão nacional, montada no Paraná a partir de 1999, é a melhor compra. O importado só está disponível com três portas e ainda tem componentes eletrônicos mais caros e difíceis de encontrar – sensor de airbag ou ABS e módulo de injeção são até 60% mais caros.
Não pense que as peças do A3 brasileiro sejam baratas (veja tabela ao lado). A solução adotada pela maioria dos donos é comprar as peças de manutenção básica em lojas de autopeças.
Isso significa economia média entre 20% e 60%. A única dificuldade é encontrar no mercado paralelo peças plásticas como retrovisor e pára-choques. Essas, só mesmo na concessionária.
O preço do sossego - Se estiver disposto a pagar 10% ou 15% a mais que o mercado para não ter dor de cabeça, tente o programa de usados Audi Qualified. Inaugurado em 1999, inclui 14 concessionárias da marca. O A3, ou qualquer outro da marca, é vendido após uma revisão de 120 itens de mecânica, elétrica e eletrônica. Outra vantagem é a garantia de um ano. A escolha dos carros pode ser feita no site