anuncio

anuncio

domingo, 27 de fevereiro de 2011

ford ka nao pega

DEFEITO: Ao dar partida o motor vira mas não pega. O defeito se iniciou após uma retífica de motor.
CAUSA: Foi feito vários testes e foi observado que quando se dava partida não havia centelha e nem pulso nos bicos, assim como a bomba não armava. Estes sintomas são característico de sensor de rotação, o problema é que o carro chegou funcionando fazendo com que tivessemos duvidas sobre o não funcionamento da peça. Mesmo assim fizemos a troca para prosseguirmos com os testes, mas para nossa surpresa o carro não pegou. Após mais uma bateria de testes sem resultados, voltamos o sensor velho para o carro, e para nosso desespero o carro pegou.
Com o carro em funcionamento passamos a movimentar o chicote do sensor, e após algumas tentativas o carro falhou, fizemos então uma averiguação completa do chicote, e ao abrirmos o mesmo observamos que estava completamente ressecado e cheio de falhas no isolamento, e notamos que os fios do sensor de rotação estavam unidos causando assim um curto e ocasionando o defeito.

SOLUÇÃO: Por motivos de precaução foi trocado todo o chicote do sistema de injeção eletrônica, sendo necessário a troca até mesmo do cabo positivo da bateria.
Já havíamos pego alguns defeitos semelhantes na linha FORD, mas este caso estava critico.
Estes problemas de ressecamento dos chicotes do carro FORD, sem duvida é um dos maiores absurdos que já vi, póis é raro o modelo mais antigo que não tem este problema.

ford ka sem força

DEFEITO: Este carro estava com um desempenho a baixo do esperado e muito fraco principalmente em arrancadas.
CAUSA: Começamos o diagnóstico com o uso do scanner e não havia nenhuma avaria reconhecida e os parâmetros de funcionamento estavam normais, conferimos velas e cabos e não foi encontrado nada de anormal, testamos a pressão e vazão da bomba de combustível e tudo estava ok.
Passamos então a monitorar os sensores e atuadores individualmente com o uso de um multímetro, ao chegarmos no sensor de borboleta (TPS), notamos uma diferença nas medições do sensor. Com a borboleta fechada havia 0,80 V ou seja normal, ao acelerarmos a borboleta por fora do carro este chegava a uma tensão de 4,75 V que tambem é um parâmetro normal, mas quando abríamos a borboleta usando o pedal de aceleração o sensor só enviava 3,6 V que equivale a uma tensão bem a baixo do normal que é de 4.6 a 4.8V com abertura total.
SOLUÇÃO: Para resolver este problema foi necessário abaixar o batente do pedal que é uma lata onde o pedal encosta no fim do seu curso. Com o uso constante o pedal empena fazendo com que seu curso diminua. Este defeito do acelerador ocasionava uma falta de abertura na borboleta fazendo com que o carro não usa-se a sua potência máxima.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

PLACA RETIFICADORA: A placa retificadora ou placa de diodos transforma a corrente alternada que é produzida pelo alternador automotivo em corrente continua usada para repor a carga da bateria automotiva e alimentar os outros consumidores de energia do carro.
Os defeito mais comuns que encontramos nesta placas são a presenças de diodos queimados, o que atrapalha o funcionamento do conjunto, sendo que em alguns casos a luz indicadora de bateria no painel fique levemente acesa, nestes casos a única solução é a troca do componente.

oque é um REGULADOR DE TENSÃO


REGULADOR DE TENSÃO: O regulador tem como função proteger os equipamentos que fazem uso da energia gerada pelo alternador controlando a tensão produzida em qualquer regime de rotação do motor e limitando esta tensão para que não haja picos de corrente elétrica, o que pode causar danos nos consumidores elétricos. Ele também impedindo que a bateria automotiva sofra sobrecarga. Existem reguladores mecânicos, multifunção, eletrônicos e híbridos dependendo de cada alternador.
Os Problemas que geralmente se encontra nestes reguladores, são desgastes de escovas o que prejudica o funcionamento correto do alternador, nestes casos é necessário a substituição do regulador sendo que que em raros modelos é possível  a trocar somente das escovas. Também encontramos reguladores de tensão que não conseguem mais fazer o controle da tensão gerada deixando assim que a bateria e os consumidores recebam um excesso de carga ou que recebam pouca energia. A maior parte destes problemas são causados por desgastes do próprio componente.

adaptação do corpo da borboleta gol 1.0 16v

O ajuste básico também conhecido como adaptação do corpo da borboleta, juntamente com o a regulagem do ponto de ignição são procedimentos muito importantes após uma manutenção no sistema de injeção eletrônica, no caso do ajuste básico sempre quando fazemos uma limpeza do tbi, limpamos a memória adaptativa da central ou até mesmo deixamos a bateria desconectada por mais de 2 minutos se faz necessário efetuar o ajuste.
A algum tempo eu escrevi uma dica de um defeito comum no Gol 1.0 16V (IAW 1AVS), e nesta dica a solução era justamente fazer este procedimento, pouco tempo depois recebi um comentário dizendo que mesmo usando as técnicas que foi passado no texto o carro ainda a presentava um comportamento ruim na marcha lenta, resolvi então deixar para vocês uma terceira forma de realizar este ajuste básico.
1. Conferir todo o sistema elétrico do veiculo como, bateria, alternador e alimentação da central;
2. Verificar se não há alguma entrada falsa de ar após a borboleta de aceleração, pois isto anularia suas chances de realizar o procedimento;
3. Funcionar o carro frio sem acelerar, e deixar em marcha lenta até que a ventoinha desarme pela segunda vez;
4. Ligar os faróis altos, ventilador interno, e outros acessórios elétricos que tiver no carro;
5. Pisar no acelerador devagar até o motor atingir uma rotação aproximada de 2500 RPM, e manter neste giro por 30 segundos;
6. Deixar a rotação chegar em marcha lenta e aguardar 1 minuto;
7. Refaça os passos 5 e 6 por no mínimo 10 vezes;
8. Depois de feito isto deixar o motor em regime de marcha lenta por 30 minutos.
Nunca se esqueça que se o carro ficar sem alimentação elétrica você esta sujeito a perder todo o processo, tendo então que realiza tudo novamente.
Apesar de ser muito demorada e até chata de ser realizada esta técnica realmente funciona, eu mesmo já utilizei algumas vezes e sempre deu certo. Se você quiser experimentar esta dica e deixar aqui o seu comentário para discutirmos ficarei agradecido.
Lembre se que a pressa é inimiga da perfeição por isso tenha calma e faça da forma que foi descrito que vai funcionar direitinho.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

fiat code


FIAT CODE é um sistema de segurança veicular também conhecido como imobilizador. O CODE somente libera o funcionamento do motor se a chave estiver codificada, desta forma a central do imobilizador reconhece o sinal da chave e libera a partida. Para codificar as chaves no FIAT CODE  I basta seguir as dicas à baixo:
                                                  
Pegue todas as chaves que vão ser usadas no carro. Devem ter no mínimo 3 chaves sendo 2 azuis (chaves que vão ser usadas no dia-a-dia) e 1 vermelha (esta é a chave mestre que vai ser usada para liberar o uso das outras chaves);
Coloque a chave Vermelha no cilindro de ignição e vire para a posição de MARCHA (MAR);
Aguarde a lâmpada do code acender e apagar;
Logo após apagar retire a Chave vermelha num prazo de 2 segundos no máximo;
Insira uma das chaves azuis no prazo de 10 segundos e vire a chaves para a posição MAR.
Com a chave nesta posição a lâmpada do code vai acender e apagar;
Após a lâmpada se apagar retire a chave obedecendo o limite de 2 segundos e coloque a próxima chave num prazo maximo de 10 segundos. Repita o procedimento com todas as chaves azuis sempre obedecendo o tempo e lembrando  que so podemos codificar no maximo sete chaves.
Quando você codificar a ultima chave, coloque a Chave Mestre (vermelha) e vire-a para MAR.
A lâmpada indicadora do CODE se ascenderá e apagara logo em seguida. Quando a lâmpada se apagar o processo de codificação esta terminado.
Por ultimo e não mais importante, teste todas as chaves.
Este é realmente um procedimento simples, basta ter paciência.
Abraços

Os sensores lambda tem como função detectar o teor de oxigênio nos gases da descarga em comparação ao oxigênio no ar de amostragem que fica dentro do sensor e informar a central (U.C.E) em forma de sinal elétrico para que a mesma possa fazer os cálculos estequiométricos.

Fator Lambda ( λ )

Para entendermos o funcionamento dos sensores de oxigênio primeiramente temos que conhecer o fator lambda (λ). Neste caso a letra grega lambda (λ) corresponde a razão de equivalência na relação ar-combustível real entre a relação considerada ideal ou estequiométrica para uma mistura.
Lambda (λ)= relação real – ar/combustível       
                         relação ideal – ar/combustível                                                                         
Relação Ar/Combustível ideal
  • Gasolina: 14,7:1 ( 14,7 partes de ar para  01 parte de gasolina)
  • Álcool: 9,0:1 ( 9,0 partes de ar para 01 parte de álcool)
  • Diesel: 15,2:1 ( 15,2 partes de ar para 01 parte de Disel)
Dessa forma podemos concluir que quando uma mistura tem mais ar do que o especificado na tabela acima dizemos que λ >1 ou que a mistura esta Pobre. Já quando a quantidade de ar esta abaixo da especificada dizemos que λ<1 ou que a mistura esta Rica.

Funcionamento do sensor de oxigênio

Os sensores lambda trazem em sua composição um componente muito importante que é: dióxido de zircônio, este material quando atinge uma temperatura superior a 300°C se transforma em um condutor de íons de oxigênio. Com o auxilio deste componente a sonda consegue identificar por meio de uma variação de tensão a quantidade de oxigênio presente nos gases de escape. Esta tensão que pode ser medida em milvolts  varia de 0 a 800mv e é enviada para unidade de comando para que seja feito os cálculos usando como base o fator lambda.
Localização do Sensor Lambda
Por funcionar com perfeição somete acima de 300°C, geralmente este dispositivo é fixado na descarga o mais próximo do motor possível  e obrigatoriamente a sonda e deve receber os gases provenientes de todos os cilindro para que a leitura seja a melhor. A sonda de 4 fios por sua vez pode esta localizada até mesmo próxima do catalizador pois a mesma possui uma resistência de aquecimento para que atinja os 300°c necessários, dispensando assim a necessidade de ficar próximo do motor.
A sonda lambda é sempre a culpada
Muitos mecânicos por falta de experiência acaba fazendo a troca desta peça, por ela na maioria das vezes marcar um código de avarias quando se rastreia um carro. Mas o sensor de oxigênio é mais resistente do que aparenta e a maioria das vezes os códigos marcados para sonda lamba é na verdade decorrente de um outro problema de gerenciamento do motor e que acaba refletindo no funcionamento do sensor, que por precaução e para avisar de possíveis falhas no funcionamento do carro, a unidade marca erro na sonda, fazendo com que alguns mecânicos desavisados façam  a sua troca prematuramente.
As sondas lambda são sem duvida uma das peças mais importantes do seu carro por isso quando for realmente necessário fazer a troca desta peça, de preferencia para peças originais, pois a diferença de qualidade é evidente e o seu carro vai agradecer, eu garanto.

dicas para economizar combustivel

Algumas atitudes simples podem fazer seu carro gastar menos combustível. Saiba como


A promessa do posto. Toda vez que vamos abastecer gastamos em torno de R$ 70 , a primeira coisa que vem a cabeça é: preciso economizar e gastar menos combustível, mas como?

Com o litro da gasolina na casa dos R$ 2, a maioria dos motoristas contabiliza no final do mês a quilometragem e quantidade de combustível ou melhor, de dinheiro queimado. Para saber o que fazer para reduzir o consumo do seu carro o portal Carro Online preparou algumas dicas de economia.

A primeira é deixar a manutenção do veículo em dia, para gastar menos. Por exemplo, manter os pneus calibrados de acordo com as recomendações do fabricante, as rodas alinhadas e balanceadas e o motor em boas condições. Velas desgastadas ou desajustadas, bicos injetores e filtro de ar sujos aumentam o consumo.

O porta-malas com alguns objetos esquecidos lá ajudam no desperdício. Evite também acessórios que aumentem o atrito com o solo, como pneus mais largos que pioram a aerodinâmica, spoilers muito grandes ou que modificam o rendimento do motor, escapamento esportivo e preparação mecânica.

Outro vilão do desperdício é o congestionamento. Mudar de horários e procurar rotas alternativas pode colaborar. Procure estudar o trajeto antes de sair de casa em vez de ficar rodando de um lado para o outro.

Acelerar menos. Os apressadinhos gastam mais. O arranque e a retomada de velocidade fazem o veículo consumir combustível. Portanto, manter a velocidade em um ritmo constante reduz o consumo.

Freie com antecedência em semáforos, lombadas e pedágios. A diferença de consumo entre uma direção suave e uma mais agressiva pode reduzir o consumo em mais de 50%. Tirar o pé na estrada também faz diferença.

Que o ar-condicionado é um péssimo equipamento para a economia não é novidade. Procure usá-lo de maneira inteligente, rodando com os vidros abertos até que o calor acumulado no interior se disperse, por exemplo.

O combustível adulterado é um problema que tem tirado o sono de muita gente. Atraídos por um preço mais baixo na bomba, normalmente anunciado como "promoção" para chamar a atenção, muitos consumidores abastecem seu carro desconhecendo a procedência e a qualidade do produto - e normalmente compram gato por lebre.

Quando for abastecer, procure postos confiáveis, de marcas conhecidas. Dê preferência sempre à gasolina aditivada, cuja composição contém dispersantes e detergentes que ajudam a reduzir a carbonização interna do motor. Desconfie de gasolinas muito baratas, pois podem estar adulteradas. Escolha sempre os postos certificados pelas distribuidoras e que tenham equipamentos de controle de qualidade do combustível. Se depois desses cuidados, o motor de seu carro começar a engasgar e falhar repentinamente, mude imediatamente de posto. Faça isso sempre que notar alguma alteração na marcha lenta.

Evite acelerar com o veículo parado. A melhor maneira de aquecer o motor é rodando com o carro. Nos dias mais frios, puxe levemente o afogador (nos automóveis com injeção esse sistema funciona automaticamente) e dê a partida. Ande devagar nos primeiros minutos para não forçar o motor e vá desativando gradativamente o afogador. Desse modo, o motor atingirá mais rapidamente sua temperatura ideal de funcionamento sem desperdiçar.

Não desligue o motor em paradas rápidas, como no trânsito ou nos semáforos. O consumo nesse momento é pequeno - de 1 a 2 litros por hora - , para dar a partida o carro acaba gastando mais. Desligue o veículos somente se a parada exceder 3 minutos. 

domingo, 6 de fevereiro de 2011

dicas para usar a embreagem


É expressamente proibido manter o pé sobre a embreagem ao dirigir
Para muitos, isso é óbvio. Mas existem muitos motoristas que nem se apercebem de que estão descansando o pé em cima da embreagem, ao dirigir. Quem descansa o pé em cima do pedal da embreagem faz com que ela se gaste bem mais rápido. E isso é atestado. Pergunte para um mecânico de concessionária, que ele vai lhe citar vários carros onde a embreagem tem que ser trocada, por causa desse hábito.
Não mantenha o carro parado usando a embreagem
Este segundo ponto já não é tão óbvio. Até mesmo bons motoristas acabam cometendo esse erro, apenas por costume, ou porque é mais fácil assim. Segurar o carro em um semáforo ou em uma subida usando a embreagem é o mesmo que fazer com que ela se gaste mais rápido, propositalmente. Sempre acione o freio, e deixe o carro em ponto morto, quando estiver em uma subida.
Faça verificação do cabo e regulagem com regularidade
Se o seu carro não tiver embreagem de acionamento hidráulico, ela é acionada por um cabo. Esse cabo tem que ser verificado, caso o acionamento da embreagem não esteja macio e sem barulhos. Acha que a embreagem do seu carro está alta demais, ou baixa demais? Pois não precisa ser assim, você pode pedir que seu mecânico faça uma regulagem da altura do pedal. Se bem que ás vezes, altura estranha pode significar problemas no conjunto.
Não coloque seu carro em subidas muito íngremes, ou terreno deslizante
Se você tem um Jeep ou uma Land Rover, tudo bem. Mas sabe aquele hábito de pegar o carro 1.0 e ir para aquele sítio no final de semana? Pois bem, isso pode estar danificando a embreagem do seu carro. Pois se você anda em uma subida muito íngreme, seu carro não consegue subir nem mesmo em primeira marcha. Aí você fica forçando o carro a subir, usando a embreagem. Isso é péssimo. E terrenos escorregadios também exigem o uso errado da embreagem, para forçar o carro a subir.
Verifique se o pedal está trepidando ou se a embreagem está patinando
Estes dois sinais podem significar que existe algo de errado com o conjunto da embreagem do seu carro. Pode ser disco empenado ou disco desgastado demais. Aí não tem jeito, tem que ser efetuada uma troca.
Não faça reduções de marcha muito exageradas
Sabe aquela redução de marcha tão drástica, que você sabe que a marcha inferior vai entrar e jogar as rotações lá pra 5.500, 6.000? Essa prática é perigosa para com a embreagem do carro, pois o disco pode até se quebrar.